Informações sobre raças

SAANEN:


Originária da Suiça, é uma das raças leiteiras mais famosas do mundo

A raça Saanen é originária da Suíça, e criada especialmente nos vales de Sanen, Cantões de Berna e Appenzell, onde as temperaturas médias anuais jamais ultrapassam 9,5ºC. A raça tem, portanto, ajustes fisiológicos indicados para as regiões frias.

É, talvez, a raça leiteira mais famosa do mundo. Tem contribuído para a formação e/ou melhoramento de muitas outras raças caprinas leiteiras. É muito apreciada na Europa, Estados Unidos e outros países.

Fêmea fértil, obtém com freqüência dois cabritinhos por gestação, e às vezes três. Vive bem em regime de confinamento, mas por ser altamente especializada para produzir leite, é extremamente delicada e muito exigente quanto ao regime alimentar.

Seu peso é em torno de 45 a60 kg nas fêmeas e 70 a90 kg nos machos. A altura é de 70 a83 cm nas cabras e 80 a95 cm nos bodes. A pelagem é preferencialmente branca, mas existem animais de coloração creme, com pêlos curtos e finos, podendo ser mais longos no fio do lombo e nas coxas. Para o registro genealógico, são aceitas pequenas manchas de coloração escura na pele e pêlos.

São preferidas as cabras sem barba e sem brincos, assim como são pouco apreciados os de pêlos longos e os chifrudos. A pele é rosada e as aberturas naturais amarelas. São toleradas manchas escuras na pele, mas não nos pêlos.

A cabeça é cônica e alongada, descarnada e elegante. Olhos grandes, amarelos e mansos. Orelhas delicadas e mantidas um pouco acima do horizontal. Normalmente desprovida de chifres. Fronte grande e larga, bem desenvolvida. No macho, a cabeça deve ser bem angulosa, sem chegar a ser grosseira, e apresentar expressão mansa.

O pescoço da cabra é fino e longo, comumente com brincos, enquanto o macho tem pescoço forte, com pêlos mais compridos. Corpo longo e profundo, bem conformado, com a linha superior direita - salvo a garupa, que é curta e oblíqua, preferindo-se que seja longa e larga, não muito inclinada.

As costelas são bem arqueadas, com tendência à magreza, na cabra. Ventre bem desenvolvido, mostrando grande capacidade digestiva. Tórax amplo e profundo e peito bem largo no bode. Úbere inserido alto, bem ligado ao corpo, globular, ou quase, livre de carnosidade, pouco coberto de pêlos, com tetas simétricas, de tamanho médio e forma conveniente à ordenha. Veias mamárias longas, grossas e tortuosas. Membros fortes, direitos e secos, bem propocionados. Os posteriores da cabra têm tendência a serem mais desaprumados e fracos. Cascos bons, de cor amarela.

A Saanen é boa produtora de leite, um tanto magro, com 3,0 a 3,5% de gordura. Cabras médias, criadas em condições normais, produzem 3 litros diários de leite, em um período de lactação de 8 a 12 meses. Na Suíça, a produção média por lactação varia de 600 a800 litros de leite. A recordista norte-americana da raça alcançou 1821 kg de leite em uma lactação de dez meses.

Em regiões de clima temperado, a raça tem bom comportamento, tanto em pastagens de montanhas como de planícies. É precoce e os animais novos engordam facilmente. É a maior das raças suíças, sendo indicada para aumentar o tamanho e a produção leiteira das nossas cabras comuns, pelo cruzamento, sobretudo nos estados do sul brasileiro.

Sua rusticidade não é muito grande no nosso meio. A estabulação permanente e os lugares úmidos lhe são prejudiciais. Entretanto, numa exploração intensiva, em regime de meia estabulação, é uma cabra que mesmo aqui atinge produções bastante elevadas. A sua cor branca parece ser o principal empecilho à sua disseminação nas regiões tropicais e semi-tropicais no Brasil.

Destinação: Leite, melhoramento genético

Clima mais adequado:    Frio, com temperaturas abaixo de 9,5ºC. Em regiões de clima temperado a raça tem com comportamento, tanto em pastagens de montanhas como de planícies. Os lugares úmidos lhe são prejudiciais

Região mais adequada: Europa e EUA


Bibliografia:  Aprisco
Bibliografia: http://www.sebrae.com.br/setor/ovino-e-caprino/o-setor/racas-caprino/saanen



ANGLO NUBIANA:


Raça caprina muito rústica e perfeitamente adaptável ao Brasil, com destinação para carne e leite

Mista de leite e carne, produz em média 2 litros de leite por dia, numa lactação de sete meses. Os cabritos vão para o abate aos três meses, já com 21 a22 Kg. É uma raça inglesa, decorrente do acasalamento entre animais nubianos importados da África, Arábia e Índia, por volta de 1895, e caprinos importados nativos, de pelo curto, da Inglaterra. Nesse país, é simplesmente conhecida como Nubiana.

Adapta-se muito bem no Brasil, produzindo mestiços com boa aptidão leiteira, precoces e com carne de qualidade. Tem a cabeça pequena, muito bem conformada, levantada e alerta, apresentando perfil convexo. Por essa razão, é conhecida como "a cabra de nariz romano", com uma depressão em sua ligação com o fronte. Orelhas grandes, pesadas, caídas junto à cabeça indo até o focinho, com o pavilhão interno voltado para a face e as extremidades dirigidas para a frente. Essa característica lhe confere um aspecto aristocrático. Olhos grandes e brilhantes. A cabeça da cabra é mais fina e oblicada que a do bode, não chegando a ser fraca. Não possui chifres e tem o perfil, orelhas e olhos semelhantes aos do macho.

O pescoço, de tamanho médio, fino, bem implantado na cabeça e tronco, tem posição levantada. Machos e fêmeas podem apresentar barbela de tamanho pequeno. A cernelha não é alta, as espáduas são obliquas e as costelas, compridas e bem arqueadas. Peito não muito largo. Linha dorso-lombar com tendência a subir em direção à garupa, que, por sua vez, é ampla e inclinada. Corpo bem proporcionado. No bode, há uma tendência para as cruzes serem altas e o lombo enselado, o que se deve procurar corrigir. A ossatura e a musculatura geral são mais fortes que na raça Nubiana. O úbere é grande, cheio, flexível, com as duas metades iguais e não carnudas, profundamente pendido, antes dependurado, ligado alto atrás, com tetas grandes e bem colocadas. Veias mamárias grandes e tortuosas.

Membros longos, fortes, secos e vem aprumados. Cascos fortes e com coloração de acordo com a pelagem, escuros. Peso mínimo de 55 kg na cabra e 75 kg no bode. Estatura de 60 a70 cm na fêmea e 70 e 90 no macho. Pelagem muito variada, semelhante a da Nubiana, freqüentemente malhada ou "tartaruga", sendo comum combinação de pelos pretos, vermelho, pardos. É preferível, porém, que esteja livre de qualquer indício de pelagem de Toggenburg. Os pelos são curtos, lustrados, de grossura regular, embora nos machos seja mais espessos com maior tamanho ao longo da linha da nuca e dorso-lombar. A pele é frouxa. Mucosa escura.

É uma cabra de aspecto alerta e atraente. Embora parecida com a Nubiana, é a mais alta e mais elegante, mais forte, produz mais carne, porém é menos leiteira. Mesmo assim, é boa produtora, pois dá diariamente de 2 a4 litros de um leite muito gordo, com 6% ou mais de gordura.

A prolificidade é quase tão boa quanto a da Nubiana. Os cabritos são grandes, robustos, precoces e de carne muito boa. É muito rústica e perfeitamente adaptável ao Brasil, salvo nas regiões muito úmidas. É criada sobretudo nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Bahia. Tem grande preponderância na transmissão de seus caracteres pelos cruzamentos, sendo fácil confundir mestiços Nubianos, Toggeenburg com Nubianos, o que requer cuidados na verificação da origem pelos compradores. É uma das raças mais recomendáveis ao Brasil. Produz, com caprinos comuns, mestiços dotados de boa aptidão leiteira, de crescimento rápido e produtores de carne de boa qualidade.

Destinação: Carne, Leite

Clima mais adequado: Adapta-se muito bem no Brasil, salvo nas regiões muito úmidas

Região mais adequada: RJ, BA, MG, SP


Bibliografia: Aprisco
Bibliografia: http://www.sebrae.com.br/setor/ovino-e-caprino/o-setor/racas-caprino/anglo-nubiana/bia-t174/2006-11-01.6323700702


SANTA INÊS:


ORIGEM - É uma raça desenvolvida no nordeste brasileiro, resultante do cruzamento intercorrente das raças Bergamacia, Morada Nova, Somalis e outros ovinos sem raça definida (SRD).

Sendo as características atuais um produto da seleção natural e dos trabalhos de técnicos e criadores fixando-as através de seleção genealógica.

A tese de sua origem é confirmada pelas suas características.

O porte do Santa Inês, o tipo de orelhas, o formato da cabeça e os vestígios de lã evidenciam a participação do Bergamácia, bem como a condição de deslanado e as pelagens, correspondem ao Morada Nova. A participação do Somális é evidenciada pela apresentação de alguma gordura em torno da implantação da cauda, quando o animal esta muito gordo.

ASPECTO GERAL - Animal deslanado, com pêlos curtos e sedosos, de grande porte com média de peso para macho de 80 a 120 Kg e para as fêmeas de 60 a 90 Kg, com excelente qualidade de carne e baixo teor de gordura, pele de altíssima qualidade, rústicos e precoces, adaptável a qualquer sistema de criação e pastagem, e as mais diversas regiões do país. Fêmeas prolíferas e com boa habilidade materna.

CABEÇA -Tamanho médio, proporcional ao corpo e mocha. Perfil semi-convexo. Orelha com forma de lança, com inserção firme e ligeiramente acima da linha dos olhos, ligeiramente inclinadas em direção ao comprimento da cabeça, coberta de pelos. Olhos redondos e brilhantes. Chanfro liso com pelos finos. Focinho largo e pigmentado, com fossas nasais dilatadas e bem separadas. Mandibolas fortes e simétricas.

PESCOÇO -De tamanho regular, proporcional ao corpo, bem musculoso e com harmoniosa implantação ao corpo. Mais longo nas fêmeas. Com ou sem brincos..

CORPO (TRONCO)
Grande e comprido. Região dorso-lombar larga e retilínea, tendendo para a horizontabilidade, e com boa cobertura muscular. Peito largo, arredondado e com boa massa muscular. Tórax amplo, largo, profundo e arqueado, com costelas compridas, largas e afastadas. Ventre amplo, profundo e com boa capacidade. Ancas bem separadas musculosas e arredondados. Garupa ampla, comprida, com suave inclinação. Cauda com inserção harmoniosa, comprimento médio, afinando proporcionalmente

MEMBROS -Fortes, bem posicionados e proporcionais ao corpo. Articulações fortes e bom aprumos. Os membros anteriores com paletas corretamente ajustadas à posição oblíqua. Os membros posteriores com coxas largas, compridas e com boa cobertura muscular. Cascos pretos nos animais de pelagem preta. Em animais de outras pelagens admite-se cascos brancos ou com rajas claras.

ÓRGÃOS GENITAIS -Testículos bem desenvolvidos e simétricos, com circunferência de 30cm a partir da idade de 12 meses. Bolsa escrotal com pele solta e flexível. Prepúcio direcionado cranialmente,que não ultrapasse 45º (quarenta e cinco graus) com a linha ventral. Vulva bem conformada e com desenvolvimento de acordo com a idade da fêmea.

PELAGEM – Vermelha, preta, branca e suas combinações.

PELE – Pigmentada.

PELOS – Curtos e sedosos.

ESPELHO NASAL, PERIMETRO OCULAR, VULVA e PERINEO – Escuros.

APTIDÕES - Raça de carne e pele.

CARACTERES PERMISSIVEIS:
- Perfil convexo
- Orelhas mais alongadas, não ultrapassando a comissura labial
- Rudimentos de chifres moveis
- Chanfro enrugado nos machos
- Focinho, com exceção dos animais de pelagem preta, admite-se ligeira marmorização
- Peito ligeiramente proeminente
- Na região dorsal admite-se pequena depressão após a cernelha
- Cauda com base de inserção larga e o comprimento até o limite do jarrete
- Cascos com rajas claras ou brancos, com exceção do animais de pelagem preta
- testículos com circunferência de 28 cm aos 12 meses de idade
- Pele pouco pigmentada
- Pelos grossos e resquícios de lanugem, não persistente na região dorso-lombar
- Espelho nasal, circunferência ocular, vulva e períneo marmorizado

CARACTERES, OU DEFEITOS, DESCLASSIFICANTES
- Perfil côncavo, ultraconvexo ou retilíneo
- Orelhas com inserção abaixo da linha dos olhos, pesadas largas, grandes passando a comissura labial. Pendentes sem controle. Em forma de concha acentuada. Ondulações nas bordas
- Presença de chifres e rudimentos firmes
- Focinho despigmento em animais de qualquer pelagem
- Mal formação bucal(prognatismo, retrognatismo, agnatismo)
- Pescoço curto e grosso ou longo e fino nos machos. Presença de toalha (pelos compridos)
- Tronco com má distribuição muscular
- Peito com pouca musculatura, estreito, interferindo nos aprumos
- Região dorso-lombar com cernelha muito saliente e mal ajusta ao pescoço. Lordose, cifose e escoliose
- Tórax estreito (acoletado)
- Garupa curta ou excessivamente inclinada, ou com pouca cobertura muscular
- Calda grossa, arredondada da base até a ponta
- Membros excessivamente longos ou curtos, em desproporção ao corpo. Aprumos defeituosos.
- Testículos com acentuada assimetria. Hiperplasia,  hipoplasia, monorquidismo, ou criptorquidismo.
- Prepúcio – angulação acima de 45º (quarenta e cinco gruas)
- Bolsa escrotal excessivamente pendular, passando do jarrete
- Vulva excessivamente pequena
- Pele despigmentada
- Resquícios de lanugem persistentes
- Espelho nasal, perímetro ocular, vulva e períneo despigmentado

Fonte:
Associação Brasileira dos Criadores de Ovinos
www.arcoovinos.com.br
 


DORPER:

Dorper é uma raça de ovelhas originária da África do Sul, proveniente do cruzamento entre o Dorset e o Persian. Tem como características a resistência, a excelente carcaça, boa em cruzamentos, na produção de carne e fertilidade.

Há também a criação dessa raça na Austrália e no Brasil que já dispõe de pequeno plantel sendo que, nos últimos dois anos, tem implementado a importação de embriões da África do Sul e animais vivos da Austrália.

No Brasil, já se encontra em franco progresso a transferência de embriões desta raça, utilizando-se normalmente fêmeas da raça Santa Inês como receptoras.

  • Boa Aparência

- É um ovino muito bem proporcionado, evidenciando lucratividade.  
- Excelente conformação para carne.  
- Apresenta cabeça preta e corpo branco (Dorper) ou é completamente branco (Dorper Branco).  
- Traseiro com possante musculatura.
- Tamanho agradável: as ovelhas adultas pesam cerca de 94,0 kg.

  • Soberbas carcaças de Cordeiro

- Os cordeiros Dorper normalmente vencem as competições de carcaça na África do Sul.  
- Na África do Sul, 90% dos cordeiros Dorper recebem pontuação "Super", equivalente ao "Choice Grade" dos Estados Unidos.  
- Os cordeiros da África do Sul pesam entre 36-45 kg, ou mais, aos 100 dias de idade. SOMENTE EM REGIME DE PASTO.  
- Traseiros bem musculados e pesados.  
- Carne magra.

  • Tosquia desnecessária

- As mechas, que são uma mistura de lã e de pêlos, caem todos os anos.  
- As mechas lanosas duram um pequeno tempo.  
- Mais carne, menos lã!  
- O couro do Dorper atinge altos preços na África do Sul.

  • Extremamente Robusto e Adaptável

- O Dorper é um pastador não-seletivo.  
- Tem grande tolerância aos parasitas internos e externos.  
- É longevo.  
- Os animais são fáceis de serem manejados e guardados. Assim, os custos de manutenção são baixos.  
- O Dorper prospera em condições marginais.  
- Os cordeiros são muito vigorosos logo ao nascer. Assim, a taxa de mortalidade de cordeiros é baixa.  
- A raça sai-se bem em climas variados: árido, úmido, quente e frio.  
- Notável desempenho sob manejo extensivo ou intensivo.

  • Muito fértil e precoce

- Os carneiros podem acasalar já aos 100 dias de vida.  
- Os machos podem acasalar o ano inteiro.  
- Pode-se conseguir facilmente 3 cordeiros a cada 2 anos.
- Resultado de 150-180% de crias na África do Sul (2,25 - 2,7 crias/ano).

  • Mães maravilhosas


- Alta produção de leite e boa conformação do úbere.  
- Fácil parição. Os cordeiros são bem proporcionados com pequena cabeça ao nascimento. A musculatura começa a se desenvolver entre 2-3 semanas de idade)  
- Dóceis.ta dose de sangue Dorper. Ela traz o futuro para mais perto.


Bibliografia: Revista o Berro n. 95

Bibliografia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dorper

 


 

fwB left c15 sbne center|||||image-wrap|news|c05 normalcase uppercase fwR|c05|news login c05 normalcase uppercase|c05 tsN normalcase uppercase|c05